Piracetam – O que é? Para que serve? Veja a explicação completa!

A história do Piracetam

Piracetam – “Nootrópico” (“noos” para mente e”tropéin” para atração por) é um termo moderno, criado na década de 70. Os nootrópicos são medicamentos ou suplementos que são capazes de aumentar o desempenho intelectual de seus usuários – em por norma geral, estes são pessoas que padecem de mal de Parkinson ou de Alzheimer.

piracetam

Entretanto, aqueles que não sofrem de doenças neurodegenerativas acabam se interessando pelos nootrópicos, uma vez que eles anunciam a capacidade de prosperar a concentração, memória, percepção e também até mesmo, proteger o cérebro de danos químicos e também físicos.

Conheça Corneliu E. Giurgea, o pai dos nootrópicos

A associação do primeiro nootrópico, o Piracetam, nada tinha a ver com a procura de uma droga que fosse capaz de aumentar a perceptibilidade. Pelo contrário.

O doutor romeno Corneliu E. Giurgea (1923 – 1995), mesmo vivendo em um planeta marcado pela lógica bipolar da Guerra Fria, este esteve dos 2 lados da Cortinado de Ferro. Viajou um muito pelo mundo capitalista, quanto pelo revolucionário.

Foi educado na Romênia, onde, na Universidade de Bucareste, recebeu um PhD em Medicina. Após uma passagem pela Rússia e também um pós-doutorado nos Estados Unidos, o doutor Giurgea chegou onde essa história verdadeiramente se passa: nos laboratórios da indústria farmacêutica belga UCB (Union Chimique Belge).

Naquela época, o conhecimento sobre o neurotransmissor GABA (ácido sucessão -aminobutírico) era bastante fresco. Só em 1950 que este foi reconhecido como uma parte do sistema nervoso mediano dos mamíferos.

A invenção de que o GABA tinha efeitos sedativos, porém, criou uma autêntica corrida a termo de gerar um remédio com a estrutura química semelhante a este.

A corrida atrás de uma nova droga

Uma vez que o GABA não é capaz de cruzar a barreira hematoencefálica, era necessário sintetizar uma droga que fosse capaz de chegar ao cérebro e também que “mimetizasse” o GABA. A hipótese era seguinte: se fosse sintetizada uma molécula com estrutura semelhante à do GABA, ela se ligaria aos mesmos receptores de membrana que o GABA.

Esperava-se, de forma, gerar, uma droga praticamente calmante e também que combatesse a ansiedade.

Em 1964, junto com sua equipe da UCB, o doutor Giurgea sintetizou uma molécula muito parecida com o GABA: a estrutura era bastante próxima, exclusivamente com a troca de número reduzido de grupos moleculares e também a treinamento de uma estrutura cíclica.

UCB 6215: fazendo uma limonada a lascar do limão

No entanto, a surpresa foi que UCB 6215, ou Piracetam, bem como foi chamada a nova molécula criada, não produzia efeito sonífero qualquer. Giurgea e também sua equipe, perceberam que tinham crença numa hipótese incorreta.

Os derivados de GABA não produziam ” interdição” extra na meio de impulsos nervosos.

Ao contrário de se frustrar diante do fracasso do serviço, Giurgea decidiu converter seu erro num sucesso. Testes clínicos em animais mostraram que Piracetam era eficiente para inibir nistagmo (movimento involuntário dos olhos), vertigem (distúrbio de estabilidade, descrito como “uma tontura rotatória”) e também, o que era mais interessante: em ratos, não se mostrava tóxico. Diante desses resultados, Giurgea conseguiu a aprovação para estudar o Piracetam em humanos.

O Piracetam chega às farmácias

Poderia ter sido um extenso desengano para a UCB, porém, na realidade, foi o que garantiu a companhia farmacêutica enorme notabilidade na Europa (a UCB é, nos dias de hoje, uma multinacional). Piracetam chegou às prateleiras das farmácias europeias em 1971.

Foi um sucesso de vendas por um motivo inusitado: o doutor Giurgea tinha desenvolvido uma espécie de “melhorador cerebral”.

Nem sedativo, nem excitante que nem a cafeína. Era um pouco completamente novo, e também, então, não se adentrava em nenhuma dessas definições.

Tal e como se não bastasse, era uma substância que não gerava vício, nem era tóxica.

Já ouviu falar da Lecitina do ovo?

Após ter esse conhecimento sobre o Piracetam, será mesmo que é uma boa ideia o uso desse medicamento? Se você pretende potencializar sua mente, seja para fins de estudos ou até mesmo por sentir Que sua memória está falha, o melhor a se fazer é escolher um medicamento que faça isso de maneira natural e um medicamento que está vindo com tudo é o Lectus!

Conheça mais sobre o Lectus

O lectus certamente é a melhor escolha quando comparado ao Piracetam. O lectus ajuda com muita eficiência a vida de várias pessoas, principalmente aqueles cuja a falta de foco acompanha, seja estudantes, pessoas que trabalham com artes e precisam criar, pessoas que fazem concursos, etc.

Com esse medicamento, é muito mais fácil se manter concentrado por mais tempo e também memorizar as coisas que foram estudadas. Bem ao contrário do Piracetam, o Lectus não possui efeitos colaterais, não possui efeito rebote e o melhor de tudo: é um produto 100% natural e ainda traz diversos benefícios para sua rotina, tais como:

  1. Aumento do foco;
  2. Facilidade em entender e discutir sobre os assuntos;
  3. Te dá um aumento na capacidade de memorizar;
  4. Te ajuda a pensar mais rápido;
  5. Ajuda diretamente na memória;
  6. Ajuda a manter o foco;
  7. Totalmente natural;
  8. Não possui química alguma;
  9. Não possui efeitos colaterais;
  10. Não possui contraindicações;
  11. Melhora o raciocínio lógico-matemático;
  12. Ajuda a melhorar o sono e aliviar o stress.

Emulsificante bem natural, com ausência de química e conservantes e é encontrado diretamente nos ovos. É composta especialmente por: Vitamina A, Vitamina D, Vitamina E, Vitamina B, ômena 3, ômega 6, fósforo, ferro, cálcio, aminoácidos e muito minerais e nutrientes que são essenciais para o organismo.

É abundante em colina, que leva o colesterol pela corrente sanguínea e gera auxílio no metabolismo da gordura. A lecitina é responsável pela redução de absorção de colesterol. VEJA MAIS SOBRE O LECTUS!

Os minerais presentes na lecitina, possuem um grande efeito no que diz respeito a restauração da fadiga, agindo preventivamente contra a hipertensão e dando maior força ao fígado.

Esse suplemento para sua mente funciona tanto que até a cafeína pode ser deixada de lado para manter-se focado(a).

E sem dúvida alguma, é bem mais indicado do que outros tipos de suplemento, justamente por ser 100% natural.

Então, caso seja de sua necessidade, experimente o Lectus para ativar sua mente e dar um maior foco a ela, para seu próprio benefício.